HDR, Fotografia High Dynamic Range

Featured Image
HDR, Fotografia High Dynamic Range
5/5 - (7 votes)

Tudo sobre Fotografia HDR

HDR ou High Dynamic Range é a técnica fotográfica através da qual um maior registo de luminosidade pode ser capturado por uma máquina fotográfica digital aproximando assim o resultado final aquilo que o olho humano é capaz de observar.

HDR, Fotografia High Dynamic Range Fotografia HDR 1 1024x389

Para conseguir o efeito pretendido, em vez de registar apenas uma única fotografia são efectuadas diversas fotografias em sequência e com o mesmo enquadramento usando diferentes valores de exposição. Posteriormente as imagens são processadas através de software para extrair os melhores detalhes e tonalidades de cada fotografia, combinando-os assim numa única imagem final.

A imagem final obtida é em seguida convertida para Low Dynamic Range (LDR), esta fotografia pode assim ser vista em monitores convencionais ou impressa em impressoras com jacto de tinta.

Enquadramento histórico…

Pode ser surpreendente, mas na fotografia a técnica HDR data do ano de 1850. Nessa altura o pioneiro Gustave Le Gray tinha por hábito fotografar paisagens marítimas onde a diferença de tons entre o céu e a água é extrema. Para conseguir um resultado final equilibrado entre a luz proveniente do céu e a luz proveniente da água Le Gray usava dois negativos separados. Um negativo captava correctamente a luz do céu e um outro negativo com uma exposição mais longa captava correctamente a exposição da água. Após o registo os dois negativos eram então combinados criando assim a fotografia final:

HDR, Fotografia High Dynamic Range Primeira Fotografia HDR

Em 1850 Le Gray fazia assim história, e apesar de já terem passado mais de 170 anos a fotografia HDR continua a fazer uso da mesma fórmula os princípios e as técnicas fotográficas permanecem válidos.

As máquinas fotográficas actuais apresentam limitações técnicas, a maioria das máquinas é apenas capaz de registar um determinado número de tonalidades entre o branco puro e o preto puro para contrastar qualquer fotografia.

“Dynamic Range” é medido em “stops”, (nas especificações técnicas usando essa unidade de medida), todos os fabricantes destacam o valor máximo de “Dynamic Range” que a sua máquina é capaz de registar. Um “stop” pode ser entendido como dobrar ou reduzir em metade a quantidade de luz registada pela máquina fotográfica numa fotografia.

O olho humano consegue distinguir cerca de 24 “stops” de luz, desde o mais brilhante até ao mais escuro. Por contraste, a vasta maioria das máquinas fotográficas é capaz de captar 12 a 24 stops, sem dúvida uma grande diferença. A ilustração seguinte pretende apresentar de forma gráfica o comparativo de captura de “Dynamic Range” entre o olho humano e uma máquina fotográfica.

Olho-Humano-vs-Maquina-Fotografica-DSLR  HDR, Fotografia High Dynamic Range Olho Humano vs Maquina Fotografica DSLR

No fundo, o aperfeiçoamento de conhecimento e técnica da fotografia nada mais é do que aproximar o resultado final e seu enquadramento da perfeição capaz de ser observada pelo olho humano.

Dependendo da situação o controlo fino da luz é essencial, por exemplo na fotografia de casamento não há dois dias nem dois cenários iguais o que obriga a uma grande disponibilidade de adaptação às condições existentes.

Apesar de ser possível utilizar acessórios, acima de tudo o fotógrafo tem de usar com a luz natural disponível, quaisquer ajustes necessários têm de ser rápidos e precisos para que o resultado final seja sempre o melhor.

Também na fotografia de batizado ou de família é necessário ter a capacidade de adaptar o pretendido ao possível e assim conseguir chegar ao melhor resultado final. Em sessão fotográfica em estúdio ou hotelaria apesar de existir um maior controlo, ainda assim é necessário usar a técnica adequada. Todas estas são situações desafiadoras exigindo conhecimento específico e uso de técnicas fotográficas que permitam alcançar os melhores resultados. Para saber mais recomendamos a visita Dicas de Fotografia.

Aqui fica um exemplo conseguido com um conjunto de 3 fotografias as quais têm entre si dois stops de diferença, registadas em modo de controlo manual, a única diferença entre estas fotografias é o tempo de exposição “shutter speed”.

HDR, Fotografia High Dynamic Range HDR Luz quantidade  1024x342

Olho humano vs máquina fotográfica. Esta ilustração representa bem a diferença observada através do olho humano e através de uma máquina fotográfica DSLR. O “dynamic range” observado pelo olho humano é quase o dobro de uma máquina fotográfica.

Uma bonita imagem do nascer ou do pôr do sol com um elemento em primeiro plano em silhueta é um exemplo usual da quantidade de luz que não é vista por uma máquina fotográfica. Embora o céu possa parecer bonito e bem exposto. O elemento em primeiro plano fica em silhueta (recortado à contra-luz). Para revelar detalhes do elemento em primeiro plano é necessário afinar a exposição, nesse caso o resultado final será um céu que se transforma em branco puro, independentemente da quantidade de pós-produção aplicada não será possível recuperar mais informação.

HDR, Fotografia High Dynamic Range Fotografia HDR 3 Fotografias 1024x231

Para capturar uma fotografia em toda a sua glória será necessário executar várias fotografias da mesma cena mas com exposições diferentes. Para esse efeito pode ser usada a Variação Automática de Exposição (AEB). O resultado da utilização desta técnica passa por se obter uma exposição suficientemente sub-exposta (captura correctamente as partes mais brilhantes da cena como o céu). Em seguida é uma exposição média (fotografia com exposição equilibrada), e finalmente uma imagem sobre-exposta que regista as áreas mais escuras da cena com detalhes suficientes. A configuração para executar este processo é relativamente simples (para obter instruções detalhadas recomendamos a consulta do manual do equipamento fotográfico).

Um bom tripé robusto é essencial para executar fotografia HDR, pois isso evita o movimento entre as exposições. Fotografias únicas com a máquina fotográfica apoiada na mão são possíveis, mas mesmo um leve movimento entre as fotografias pode levar a fantasmas na imagem final.

HDR, Fotografia High Dynamic Range Tripe Fotografia HDR

Coisas a ter em conta

Para registar várias exposições da mesma cena é obrigatório fixar a máquina fotográfica num tripé para que esta fique fixa e em segurança evitando assim todo o tipo de movimento. Se tentar fotografar com a mão, mesmo o menor movimento entre cada fotografia vai arruinar a imagem HDR final.

Nem todas as fotografias são adequadas para HDR!

Qualquer foto que contenha muito movimento, como árvores ao vento, resultará em imagens finais com muitas áreas fantasmas, pois as coisas moveram-se entre cada uma das exposições. As cenas estáticas funcionam melhor, embora situações como água corrente possam às vezes funcionar muito bem. Com tempos de exposição longos o suficiente é possível apresentar a água suave parecendo um espelho ou uma neblina:

HDR, Fotografia High Dynamic Range Fotografia HDR agua tipo espelho

Também é geralmente considerado que as imagens HDR funcionam melhor fotografando com uma abertura tão pequena quanto possível para máxima profundidade de campo e nitidez aceitável em toda a cena. Fotos com profundidade de campo muito rasa às vezes podem sair com bandas e artefactos de imagem depois de processadas no HDR final.

A escolha da lente a ser usada é muito subjectiva, mas de um modo geral os principais assuntos para imagens HDR são fotografias de hotelaria, paisagens ou paisagens urbanas que exigem um grande campo de visão para absorver a escala da cena. Quaisquer lentes dentro dos 16mm a 35 mm de zoom para sensores full-frame funcionam, mas esta é sempre uma escolha pessoal

HDR, Fotografia High Dynamic Range 10 20 mm Nikon
HDR, Fotografia High Dynamic Range 16 35mm Canon 724x1024

Configurando para HDR

Certifique-se de que máquina fotográfica está configurada para gravar RAW. Isto porque apenas o RAW possibilita espremer cada último pixel de dados utilizáveis ​​de suas fotografias.

A técnica funcionará com arquivos JPEG, mas se puder, use RAW. Fotografar RAW também significa que você não precisa se preocupar em definir o Balanço de Branco para manual em vez de automático para manter o balanço de branco consistente nas exposições que faz.

Certifique-se de que a sensibilidade ISO está definida o mais baixo possível para que haja o mínimo de ruído possível na imagem. Lembre-se de que valores ISO mais altos resultam em mais ruído na imagem. A maioria das máquinas permite que você defina ISO 100. Algumas permitem que você desça para ISO 50, embora tenha havido um debate sobre se isso resulta em uma pequena perda de faixa dinâmica nesse ISO mais baixo.

Defina seu modo de medição para Matrix (Nikon) ou Evaluative (Canon). Isso mede o brilho e o contraste na cena e determina qual deve ser a exposição para obter uma boa média geral. Em seguida, certifique-se de que sua máquina está no modo de prioridade de abertura. Isso significa que você pode seleccionar qual f/stop você usa e a máquina trabalhará com as outras configurações. F/11 é um bom ponto de partida. Bloquear a abertura para cada exposição é importante para manter a nitidez consistente em cada captura.

Em seguida, precisará seleccionar o foco manual. Como um guia de orientação, pode-se focar a um terço do caminho para a cena para obter o máximo de nitidez da frente para trás possível. O foco manual também significa que você pode determinar o ponto de foco em vez de a máquina decidir por si mesma. Pode usar a função de visualização ao vivo da sua máquina e assim determinar se a área desejada está em foco nítido. Se você tiver um objecto específico que deseja que seja o ponto de foco absoluto, use a visualização ao vivo da máquina para obter um foco nítido.

Estamos quase lá…

O segredo para obter a exposição necessária.

Primeiro activar a função Auto Exposure Bracketing na sua máquina. Talvez seja preciso mergulhar no manual da sua máquina caso ainda não tenha usado esta função (AE Bracketing). Aqui pode especificar a sequência de fotos que sua máquina executa e quanta subexposição e sobrexposição serão aplicadas às fotografias. Dependendo do modelo da sua máquina, pode registar 3 fotografias em sequência, outros modelos permitem registar 5, 7 ou mais fotografias como parte da sequência de captura.

HDR, Fotografia High Dynamic Range Fotografia HDR AEB 1024x346

Também é possível determinar quantos stops de exposição separam cada fotografia. Por exemplo, uma sequência de 3 fotografias com 2 pontos de distância resultará em uma sequência que é executada: -2 (2 pontos de exposição insuficiente), 0 (exposição média), +2 (2 pontos de sobrexposição). Um conjunto sequencial de 7 disparos seria executada: -3, 2,-1, 0, +1, +2, +3. Geralmente, quantas mais fotografias puder executar, melhor.

Capturar a sequência

Quando estiver pronto para executar a fotografia, deve pressionar o botão três, cinco ou mais vezes para obter a sequência. Como isso pode introduzir movimentos indesejados na equação. A maioria das máquinas pode ser controlada com um cabo disparador ou sem fios por Wifi ou Bluetooth. Pode também usar um temporizador incorporado ou função de disparo contínuo, o que permite pressionar o botão de libertação do obturador para que a máquina possa fazer a contagem regressiva por alguns segundos e, em seguida, disparar a sequência de forma automática sem nenhuma intervenção.

HDR, Fotografia High Dynamic Range Fotografia HDR Disparo Remoto 1024x743

Para modelos de máquinas mais avançados a função de temporizador automático está referenciada no manual do equipamento.

Não AEB?

Se a máquina não tiver uma função de bracketing automático, pode ainda assim executar uma sequência HDR. Como? Fotografando no modo manual e ajustando fisicamente a máquina para alterar a velocidade do obturador, com a ajuda de um tripé robusto, vale a pena tentar.

Para tal deve configurar a máquina para fotografar uma sequência de três fotos com 2 pontos de distância no modo manual. A exposição média para a cena resulta em configurações de: abertura f/11, velocidade do obturador 1/100 e ISO 100. Executar essa fotografia, alterar a velocidade do obturador para 1/25 para uma fotografia sobrexposta de 2 pontos e alterar a velocidade do obturador novamente para 1/400 para uma fotografia subexposta de 2 pontos.

Este processo é um pouco mais complexo, mas produzirá correctamente a sequência de imagens necessárias para o resultado final HDR.

HDR, ou vai ou racha…

Depois de capturar a sequência qual o próximo passo?

É necessário processar a sequência de imagens em software.

O Photoshop ou o Adobe Camera Raw são opções de software não tão avançadas quanto o Lightroom, mas com um óptimo conjunto de recursos para tirar o proveito das imagens.

Pode gravar os arquivos JPEG de 8 bits de alta qualidade ou arquivos TIFF de 16 bits e usar um programa de terceiros como Photomatix Pro ou HDR Efex Pro 2 da coleção Nik. Em seguida usar a função Merge to HDR Pro do Photoshop.

Seja usando os métodos de ajuste HDR do Photoshop ou aplicativos de terceiros, é aqui que nasce a verdadeira imagem HDR.

Devido à utilização de edição exagerada, por vezes o efeito HDR é conotado com uma má reputação, (isto porque há exemplos online de HDR horríveis ao extremo).

HDR, Fotografia High Dynamic Range Fotografia HDR Feio 1024x694
Exemplo do que não se deve fazer, fotografia final com cor e saturação irreais.

Muitas imagens são tão mal processadas que parecem um pesadelo psicadélico com cores supersaturadas e uma abordagem muito pesada no micro contraste.

A chave para uma boa imagem HDR é que esta deve ter aparência natural com uma boa gama de tons. As imagens HDR devem ser incapazes de causar dor de cabeça, devem por isso retractar a realidade e serem bonitas.

Agora, com maior conhecimento sobre esta técnica, é tempo de sair para fotografar e processar as fotografias em HDR e assim produzir fotografias capazes de elevar o bom nome desta incrível técnica.

Saber mais sobre fotografia, contacte-nos!

Back to Top